Início Notícia Voltar

O que muda com a nova CNH a partir de 1º de junho

A substituição será gradual para novas habilitações ou à medida que os condutores renovarem ou emitirem a segunda via



13/05/2022 18:49 por Correio do Povo

CapaNoticia

Foto: Divulgação

Banner Topo

A partir do próximo 1º de junho, passa a valer a nova versão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A atualização foi anunciada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) em dezembro do ano passado. Por enquanto, os condutores não serão obrigados a trocar suas CNHs pelo modelo futuro. A substituição ocorrerá gradualmente para novas habilitações ou à medida que os condutores forem renovando ou emitindo a segunda via.

O objetivo, segundo o Contran, é garantir mais segurança de acordo com padrões internacionais. À primeira vista, o motorista vai notar a mudança no visual do documento, que será mais colorido, predominando o verde e o amarelo. À direita, próximo dos dados do condutor, terá uma letra “P” para quem tiver a permissão para dirigir ou “D” para quem tiver a carteira definitiva. No verso da CNH terá um quadro com as diferentes categorias de habilitação, para indicar para quais o portador possui licença (ACC, A B, C ou D). Neste lado também será mostrado se a pessoa usa a habilitação para trabalhar - exercício de atividade remunerada (EAR) - e o campo de observações para mostrar as restrições médicas.

O novo modelo terá um QR Code, que armazena todos os dados do documento, inclusive a fotografia, com exceção apenas da assinatura do condutor. Esse código já vem sendo adotado nos documentos de habilitação desde 2017. O documento também trará um número de identificação nacional e um número de identificação estadual. A CNH contará com novos dispositivos de segurança, como tinta especial fluorescente que brilha no escuro, itens visíveis apenas com luz ultravioleta e holograma na parte inferior do documento.

Validade e pontuação

A validade da CNH continua com as regras vigoradas no ano passado, ou seja, dez anos para motoristas com idade inferior a 50 anos, cinco anos para pessoas entre 50 a 69 anos e três anos para condutores com 70 anos ou mais. Já sobre a pontuação, a lei flexibilizou o número de pontos que um condutor pode ter na carteira, que tinha o limite de 20 pontos em doze meses. Agora, este número passou para 40 pontos durante este mesmo período. O documento possui a versão digital e física, mostrando as principais informações pessoais como nome completo, número do RG, CPF, filiação, data de nascimento e foto.

O novo layout da CNH é definido por legislação federal e cabe aos Departamentos Estaduais de Trânsito a implementação dentro do prazo. O Detran/RS está preparado para efetivar a mudança a partir da sua data em vigor, dia 1º de junho, segundo o diretor-geral, Marcelo Soletti de Oliveira. “O modelo novo também traz facilidades para quem dirige fora do país, trazendo termos traduzidos para o inglês e o espanhol, além da tabela de convenção com pictogramas simbolizando o tipo de veículo que o condutor está habilitado”. A CNH é um documento obrigatório para todas as pessoas que desejam dirigir em território nacional, servindo, inclusive, como um documento individual de identificação com foto e aceito em todo o Brasil. 

Nome social e filiação afetiva

Outra novidade que Soletti considera “importantíssima é a possibilidade de inclusão do nome social e filiação afetiva no documento, garantindo direitos e promovendo a cidadania”. O direito à utilização do nome social já está garantido no documento de identidade no Estado desde 2019, mas só a partir da mudança, em junho, será possível incluir a informação na CNH. A inclusão do nome social só pode ser feita por quem já tem o nome social no RG, já que as informações vêm do cadastro do Departamento de Identificação do Instituto-Geral de Perícias (IGP-RS). O nome social é o que ficará impresso no documento e o nome civil ficará somente no cadastro acessível via QR Code.

O chefe da Divisão de Habilitação do Detran/RS, Jonas Bays, ressaltou que o primeiro passo é promover uma sensibilização do público interno e das empresas credenciadas, que atendem a população lá na ponta. “Os atendentes dos Centros de Formação de Condutores, que vão receber essas pessoas, devem ter o conhecimento desse direito e a compreensão da sua importância na vida dos e das transexuais e travestis. Precisamos levar a discussão da identidade de gênero para os quatro cantos do Estado, muitos lugares onde essa discussão ainda não está tão avançada”, pontuou.


Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.