Planalto: Centro Cultural Indígena será recuperado

 

Histórias que relembram a saga do povo indígena, seus costumes, crenças e tradições poderão ser mais do que lembranças na memória dos anciãos Kaingangues e Guaranis que residem na Aldeia de Pinhalzinho, em Planalto. Uma parceria que nasceu há pouco tempo já começa a render frutos e promete revitalizar o centro cultural localizado na comunidade e, há anos abandonado.

O complexo, com cinco quiosques, construídos com tijolos, madeira e capim, lembrando ocas, foi inagurado em 2004, para ser um local de visitação turística, com exposições, venda de artesanato e comida típica, apresentações culturais, plantas medicinais e outras atrações. Porém, com a falta de manutenção, a estrutura estava praticamente abandonada.

– Para concessão da área onde foi construída a ERS-324, passando pela reserva, houve um acordo em que o Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) teria o compromisso de realizar a conservação do local. Porém, há mais de 16 anos, nada  é feito e a estrutura se deteriorou –, explicou o presidente do centro cultural, Jairo de Paula.

Na época, em notícias divulgadas pelo próprio governo do Estado, a informação era de que o Daer, como medida compensatória, seria o responsável pela construção do complexo, do que foi considerada a primeira obra no país com esta finalidade. Já o Conselho Estadual dos Povos Indígenas, que funcionava junto a Secretaria da Cultura, assumiu o título de patrono da obra, respondendo pela manutenção cultural do local.

Parceria

Agora, Prefeitura de Planalto, centro cultural indígena, UniPermacultura de Alpestre e o assessor de Turismo, Paulo Germano, estão trabalhando em parceria para reativar o local. Já no dia 1º de setembro, ocorre o 1º Jantar com Pratos Típicos Indígenas, no CTG Querência do Cristal, para arrecadar fundos que vão auxiliar na recuperação. Entre as ações também está previsto um mutirão de trabalho, que vai ocorrer no período de 12 a 21 de outubro.

– Serão restauradas as estruturas, realizadas pinturas com barro e argila. Queremos fazer um resgate, incentivar a prática da língua Kaingang entre as crianças, porque nosso idioma está sendo esquecido. Queremos mostrar para a sociedade que temos uma cultura interessante –, destacou a liderança.

Na semana que esteve em Alpestre, a atria Maria Paula conheceu o local e foi nomeada madrinha do projeto. Atualmente, 360 famílias – cerca de 1.600 pessoas – das tribos Kaingang e Guarani residem em Pinhalzinho. No total, a Terra Indígena Nonoai ainda conta com as comunidades de Posto Indígena e Babaneiras.

– Esta ideia surgiu no ano passado quando, durante o Encontro Internacional do Lions em Frederico Westphalen, que reuniu representantes de 12 países, o grupo visitou Ametista do Sul. Em conversa com os turistas, eles perguntaram como não tínhamos organizado no roteiro turístico da região, visitação às aldeias indígenas –, detalha o assessor de turismo, Paulo Germano.

A expectativa do grupo é de que o centro cultural entre em funcionamento até abril de 2019, com uma reinauguração, no mês de abril, marcando também o Dia do Índio.

Márcia Sarmento/Folha do Noroeste
Planalto: Centro Cultural Indígena será recuperado Planalto: Centro Cultural Indígena será recuperado Reviewed by In Foco RS on sexta-feira, agosto 24, 2018 Rating: 5