Relator vota por aumentar pena de Lula para 12 anos e um mês

 
Relator João Pedro Gebran Neto | Foto: TRF4 / Divulgação / CP
Relator do recurso da Lava Jato no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), o desembargador João Pedro Gebran Neto votou por aumentar a pena do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Sila para 12 anos e um mês de prisão e ainda determinou 280 dias de multa. O voto de Gebran durou cerca de 3h30min.

"Considero culpabilidade extremamente elevada" por se tratar de um ex-presidente da República, disse Gebran, ao anunciar que "a gravidade dos crimes exige pena maior do que a mínima". A dosimetria da pena dependerá dos outros dois juízes. Se ao menos um deles votar com o relator, Lula será condenado a 12 anos e um mês.

Para o relator do caso, é evidente que Lula praticou crime e colaborou direta e indiretamente em outros. Ele ressaltou que há provas de que o ex-presidente foi um dos articuladores do esquema de propina na Petrobras. Além disso, afirmou que há evidências que triplex do Guarujá foi reservado para Lula e Marisa e a reforma feita a partir de um projeto aprovado por eles.

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) julga recurso do ex-presidente Lula, que foi condenado pelo juiz Sergio Moro a nove anos e meio de prisão. 

Influência na Petrobras


Em seu voto, que tem cerca de 430 páginas, o desembargador Gebran Neto ressaltou que “há provas acima do razoável de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi um dos principais articuladores do esquema de propina na Petrobras”.

Para corroborar com as provas, ele citou o depoimento de delatores e réus que, segundo ele, comprovam a influência de Lula nas nomeações da diretoria da Petrobras. O relator disse que isoladamente os depoimentos parecem frágeis, mas “em conjunto, com outras provas, é possível confirmar todas as assertivas que tenham feito”.

Triplex


Relator no TRF4, Gebran Neto afirmou que há provas de que a unidade do triplex do Edifício Solaris, no Guarujá, em São Paulo, foi destinada a Lula como vantagem e ressaltou ainda que o imóvel só não foi transferido para o nome do ex-presidente devido à operação Lava Jato.

Gebran trouxe depoimentos de testemunhas que afirmaram que, era consenso, que o apartamento seria do ex-presidente Lula. Em sua sustentação, antes do relator proferir o voto, o advogado de Lula ressaltou: "O triplex não é do ex-presidente. Todos sabemos que o triplex pertence e sempre pertenceu a OAS Empreendimentos". Ele acrescentou: “Ficou claro que o ex-presidente jamais recebeu as chaves, passou um dia ou uma noite no triplex. Não há provas de que seja dele o apartamento".

Alegações da defesa são rejeitadas


Gebran Neto rejeitou todas as alegações da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a nulidade do processo. Ele reuniu os argumentos do advogado Cristiano Zanin em 22 itens e descartou um por um.

Para ele, as alegações de usurpação de incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba, quebra de sigilo telefônico do advogado de Lula, Roberto Teixeira, e a condução coercitiva dos réus sob alegação de que foram “espetacularização” não prosseguem como argumento de nulidade de um processo. Ele ressalta ainda que o juiz federal Sergio Moro não é suspeito para julgar Lula.

“Com efeito, não há ilegalidade do juízo do primeiro grau. Portanto, são rejeitadas todas as preliminares invocadas pela defesa", diz Gebran.

Correio do Povo
Relator vota por aumentar pena de Lula para 12 anos e um mês Relator vota por aumentar pena de Lula para 12 anos e um mês Reviewed by In Foco RS on quarta-feira, janeiro 24, 2018 Rating: 5