Autoridades estudam a possibilidade da existência de Sucuri

 
As autoridades ambientais seguirão fazendo estudos na região para identificar uma possível presença da serpente / Divulgação
A Polícia Civil segue investigando as causas da morte do menino de 12 anos que se afogou em um rio na localidade de Ipiranga do Sul, região norte do estado. Os relatos sobre a possibilidade da existência de uma cobra na região também estão sendo considerados pela polícia.

O delegado Adroaldo Schenckel, responsável pelo caso, acredita que esta definição serviria apenas para uma prevenção de possíveis ataques do suposto animal na região. “Em qualquer circunstância, haja ou não a participação dessa cobra no fato ou afogamento simples, as duas situações se tratam de um acidente e não há crime no caso”.

As suspeitas sobre a presença do animal aumentaram a partir da divulgação na imprensa da região de um suposto laudo médico, onde afirmaria que o menino teria indícios do ataque do animal. Entretanto, este laudo não existe de acordo com o delegado. “Há um laudo de necropsia, não existe um segundo documento. E essa perícia afirma que há todos os sinais internos de afogamento mas nenhuma lesão diferente disso”.

Populares da região afirmam que o animal existe devido ao tráfico de um fazendeiro da região. Autoridades ambientais como a Patran, o Ibama e a Fundação Zoobotânica fazem o trabalho de buscas pelo animal. O cientista Roberto Batista, da Fundação Zoobotânica, especialista em ofiologia, o estudo das serpentes, afirma que caso a cobra exista, ela buscaria um rio ou um outro ambiente aquático, como dizem os relatos. Entretanto, ao contrário do que apresentou o laudo do Instituto Geral de Perícias, caso a criança tenha sido atacada por um animal deste porte, ela provavelmente apresentaria alguma marca. “Esse animal primeiro morde a presa e depois se enrola no corpo da presa”, explica o especialista.

A respeito da possibilidade de presença do animal naquela região, Roberto explica que isto não aconteceria de maneira natural e a única possibilidade seria o tráfico de animais. Entretanto, ele acredita que o animal especulado, no caso a sucuri, não seria um provável objeto deste tipo de tráfico. “Antigamente, se utilizava muito o couro, se tinha um comércio forte da pele do animal, mas isso há muitas décadas. Hoje não seria viável do ponto de vista econômico”.

As autoridades ambientais seguirão fazendo estudos na região para identificar uma possível presença da serpente. Entretanto, eles afirmam que é impossível provar que ela não existe. A Polícia Civil seguirá ouvindo testemunhas da região na tentativa de identificar a circunstância da morte do menino.

As informações são de Thaigor Janke Boeira/Band
Autoridades estudam a possibilidade da existência de Sucuri Autoridades estudam a possibilidade da existência de Sucuri Reviewed by In Foco RS on quarta-feira, janeiro 03, 2018 Rating: 5