Evento simboliza abertura da colheita da uva na região Médio Alto Uruguai


Os municípios da região Médio Alto Uruguai já iniciaram a colheita da uva. As boas condições climáticas permitem a antecipação da safra e a comercialização da uva a um preço mais elevado. Nesta quinta-feira (30/11), um evento promovido pela Emater/RS-Ascar, Agência de Desenvolvimento do Médio Alto Uruguai (Admau), Arranjo Produtivo Local (APL), Coperametista, Prefeitura e Programa Juntos para Competir (Farsul, Senar e Sebrae), reuniu mais de 350 pessoas na comunidade da Linha Alta, interior de Ametista do Sul, e marcou a abertura da colheita da uva nessa região, a já tradicional Vindima. Junto à programação do evento, foi realizado o Seminário Regional da Fruticultura, com o intuito de fomentar a atividade da fruticultura e qualificar os produtores da região.

O Seminário Regional da Fruticultura ofertou aos participantes palestras técnicas e apresentou casos de família que estão colhendo bons resultados com a atividade. O primeiro painel apresentado tratou sobre a nutrição das plantas frutíferas. O tema foi ministrado pelo assistente técnico regional de fruticultura da Emater/RS-Ascar de Caxias do Sul, Ênio Todeschini. A temática sobre sanidade na fruticultura, especialmente no manejo das doenças da videira, foi abordada pelo pesquisador da Embrapa Uva e Vinho, Lucas Garrido. Em sua apresentação o pesquisador salientou as informações que os produtores devem saber referente à sanidade da videira, como controlar as doenças que acometem os parreirais e dicas de como evitar os resíduos na fruta. O último painel apresentado no Seminário falou sobre a rastreabilidade na fruticultura. O tema foi abordado pelo representante da empresa PariPassu, Felipe Moraes, que explicou o funcionamento desse processo que contribui para o controle de produção, a rastreabilidade dos alimentos e com o controle de qualidade. 

Dois casos de sucesso na produção de frutas foram apresentados por famílias de Planalto e de Alpestre, municípios vizinhos a Ametista do Sul e que se destacam na atividade da fruticultura. O jovem produtor de Planalto, Irineu Oroski, contou a sua experiência na produção de uva, laranja e figo. Segundo o jovem, o retorno da atividade somado ao incentivo dos pais, foram os fatores determinantes para a sua permanência na propriedade. "O incentivo da parte dos pais, que nos ensinam a trabalhar, mais a criatividade dos jovens, juntando com confiança depositada em seus filhos e as oportunidades nas tomadas de decisões, são questões fundamentais que fazem o jovem permanecer no meio rural". Da mesma forma como a fruticultura foi um dos fatores impulsores para a permanência de Irineu na propriedade rural, essa realidade se repete em muitas famílias. Apenas no município de Planalto são cultivados 500,8 hectares de uva, 216 hectares de figo e 1,2 mil hectares de laranja. A fruticultura tornou-se uma alternativa de geração de renda para centenas de famílias e vem garantindo a sucessão rural de muitos jovens.

No município de Alpestre, a história da família Ozekoski também reflete a mesma realidade. A geração de renda através da fruticultura garantiu a permanência da família no meio rural e está incentivando a sucessão rural. O jovem, Jussiê Ozekoski, apresentou os resultados da produção de uva e laranja da família e a expectativa para as próximas safras. Com o cultivo da uva nesta safra de, aproximadamente, 55 toneladas, a família prevê o retorno de R$ 99 mil reais. Para 2020, a expectativa é chegar a 120 toneladas e conseguir um retorno financeiro de R$ 216 mil reais. A intenção dos organizadores ao trazer as histórias de sucesso na fruticultura foi mostrar a viabilidade econômica da atividade e, da mesma forma, mostrar aos jovens o grande potencial da fruticultura como alternativa para quem deseja permanecer no meio rural. 

Ao final do seminário, a Coperametista assinou o termo de parceria com a Indústria de Sucos Alto Uruguai (Isau), que passará a receber a produção de laranja dos associados da cooperativa. Por meio de uma parceria entre a Admau, a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e o Instituto Federal Farroupilha (IFF), campus de Frederico Westphalen, foi validada a plataforma digital do Sistema Integrado de Apoio às Atividades da Agricultura Familiar (SIAF3F). Com essa ferramenta, instituições que tenham interesse e necessidade de adquirir produtos da agricultura familiar serão cadastradas, da mesma forma como será realizado o cadastro de famílias produtoras, na intenção de disponibilizar um banco de dados para análise e prospecção de mercados e amplia a oferta de produtos oriundos da agricultura familiar. O sistema servirá como instrumento de organização e logística entre ofertantes e demandantes de produtos da agricultura familiar.

Abertura da Colheita da Uva 

A propriedade da família Mezzaroba, localizada na Linha Alta, foi sede da segunda edição da Abertura da Colheita da Uva. Produtores, lideranças e representantes de entidades envolvidas no setor, participaram do ato, entre elas o secretário de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo do RS (SDR), Tarcísio Minetto, o prefeito de Ametista do Sul, Gilmar da Silva, o gerente do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, Mario Coelho da Silva, o supervisor regional do Senar, Diego Coimbra, o presidente da Sicredi Alto Uruguai RS/SC, Eugênio Poltronieri, o presidente do Grupo Creluz, Elemar Batistti, e demais autoridades.

O secretário da SDR, Tarcísio Minetto, parabenizou as entidades promotoras do evento e salientou a importância das parcerias para a realização de ações que promovam o desenvolvimento da agricultura familiar. "O evento, hoje, é um grande exemplo da intercooperação entre as entidades, da necessidade da integração de propostas de ações que levem o conhecimento e a informação até a ponta, junto aos produtores, isso faz parte do desenvolvimento econômico e social da agricultura familiar, é assim que vamos construindo ações práticas e que geram resultados positivos para o setor", destacou Minetto.

O prefeito de Ametista do Sul, Gilmar da Silva, reforçou a importância do evento para mostrar os potenciais dos municípios dessa região. "Com a realização da abertura da colheita da uva criamos um marco para a atividade frutícola da região. Queremos mostrar que temos potencial, que podemos agregar essa atividade a tantas outras, como o turismo, e conseguir resultados significativos para as famílias produtoras. Temos todos os fatores que propiciam o desenvolvimento da atividade, solo fértil, clima propício, por isso, acreditamos que a atividade pode desenvolver ainda mais, tanto em Ametista, quanto nos municípios vizinhos", argumentou o prefeito.

A viticultura se destaca no município de Ametista do Sul como atividade produtiva geradora de renda e com maiores possibilidades de sucessão familiar. O município de Ametista do Sul possui 160 hectares de videira, com finalidade comercial, com mais de 50 produtores envolvidos direta e indiretamente na produção. São cultivados, principalmente, Niágara Branca, Niágara Rosa, Bordô e Isabel Cabernet Sauvign, com uma produtividade aproximada de 15 toneladas por hectare. A Emater/RS-Ascar presta assistência técnica junto às famílias produtoras, no intuito de fomentar a atividade, através de orientações técnicas que auxiliam desde a escolha das variedades mais adequadas para o cultivo na região, implantação dos pomares, controle de pragas e doenças, tratos culturais, até a comercialização.

Emater/RS-Ascar - Regional de Frederico Westphalen
Evento simboliza abertura da colheita da uva na região Médio Alto Uruguai Evento simboliza abertura da colheita da uva na região Médio Alto Uruguai Reviewed by In Foco RS on sábado, dezembro 02, 2017 Rating: 5