O Segredo para um Relacionamento Conjugal Feliz

A união conjugal só é viável se for norteada por princípios que a tornam sustentável. Um deles é o que diz respeito à autoridade. Cada pessoa tem seu próprio raciocínio, sua própria vontade. Cada um de nós tem sua própria visão da vida e das circunstâncias e vai, assim, tomando suas próprias decisões. Entretanto, quando vive-se como casal, torna-se necessária uma direção comum. Se cada integrante agir de modo independente, a união deixará de existir. 

Considerando que o casamento existe para que objetivos comuns sejam alcançados, então, em princípio, convém mantê-lo. Como diz a frase “Podemos ser bons, mas juntos seremos melhores ainda”. Portanto, para que casamentos existam e sejam eficientes, torna-se necessária a figura do líder, com hierarquia definida. O corpo precisa da cabeça para ter direção. Um animal com mais de uma cabeça seria um monstro. Então, é necessário que haja uma liderança claramente identificada. Assim é nas empresas, nos clubes, nas igrejas, portanto, em um casamento, em uma família, não pode ser diferente.

Quando falamos de liderança, precisamos falar também de submissão e obediência. Embora já tenhamos consciência sobre esses termos, precisamos compreendê-lo melhor. Quando compreendemos, agimos com base em propósitos conscientes e de modo mais eficiente, deixando de viver apenas reagindo de maneira instintiva.


Liderança – Uma questão de organização


Muitas vezes a relação autoridade-submissão é confundida com um confronto entre poder e impotência, força e fraqueza. Embora esses conceitos estejam frequentemente relacionados, não devem necessariamente estar. A liderança existe para que o grupo tenha direção, para que os recursos humanos e materiais possam ser corretamente direcionados visando o objetivo comum. Não significa que o líder seja maior ou mais importante que os seus liderados. Portanto, o líder não deverá se sentir superior nem o liderado inferior. Suas posições necessárias para o funcionamento da organização. Apenas isso. Todos são importantes. O líder precisa do grupo e vice-versa. 

A importância da obediência

Por que obedecer? Todo grupo e ou união tem um objetivo que justifica sua existência. Se obedecemos, estamos contribuindo para que o objetivo seja alcançado. Se desobedecemos estamos traindo a nós mesmos e prejudicando todo o grupo.

Se o aluno desobedecer ao professor, estará prejudicando a si mesmo.
Cada músico da orquestra precisa obedecer ao comando do maestro para que se consiga harmonia e beleza. Se um deles resolver tocar sua própria música ou no seu próprio tom, poderá ter uma sensação de liberdade e independência, mas todo o grupo ficará prejudicado.
Se entramos voluntariamente em uma união, não podemos agora agir contra ela.


Pontos de Conflitos


Muitas culturas e (pré)conceitos influenciam para que haja um desequilíbrio, uma distorção dos papeis de cada um tornando a relação insustentável, levando a sua dissolução, como por exemplo, o autoritarismo, o machismo e o feminismo, que geram reclamações.

A murmuração “falar baixo” é aquele tipo de reclamação às ocultas, aquela queixa que não produz nada além de insatisfação geral.

Qual é a causa da insatisfação? Esta não pode ser simplesmente proibida ou ignorada? Ela existe e persiste como a ira, um sentimento espontâneo que podemos controlar mas não anular. O que fazer então? Precisamos examinar a raiz da nossa insatisfação. Ela provém de um desejo? Tal desejo é legítimo? É egoísta ou de interesse conjugal?

São tantas indagações e elas são necessárias para a reflexão, sendo que as respostas só serão possíveis na medida do autoconhecimento e do conhecimento e entendimento do cônjuge.
Neste contesto que surge o trabalho feito por psicólogos e pelo profissional de Coach que treina o desenvolvimento pessoal e conjugal. É um convite a mudança, ao autoconhecimento, a ressignificação e o despertar para o propósito de vida, promovendo agentes para um relacionamento melhor, para um mundo melhor.

Um dos princípios trabalhados no desenvolvimento pessoal, que é a chave para um relacionamento conjugal feliz é servir com excelência.
Servir a si próprio com autoconhecimento, auto aceitação e autoestima, para servir ao outro com conhecimento, compreensão honra e amor.


Psicóloga Vanessa da Silveira Bueno*
* Especialista em Saúde da Família pela URI – Universidade Regional Integrada,  com formação em Self Coaching pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching.

O Segredo para um Relacionamento Conjugal Feliz O Segredo para um Relacionamento Conjugal Feliz Reviewed by In Foco RS on segunda-feira, julho 10, 2017 Rating: 5